VICIADO. EM REDE SOCIAL.

Postado em 10.05.2017 | 20:46 | admin

Quem começa a usar muitas vezes fica dependente. Quer usar todos os dias, deixa de fazer outras coisas para continuar usando e mesmo com a proibição dos pais não para de usar. Gostaria que a gente estivesse falando sobre uso exagerado das redes sociais, mas o assunto desse post é o uso de drogas. Vamos falar sobre uma campanha contra as drogas, que foi uma das primeiras campanhas criadas por uma agência baiana a viralizar na Bahia.

A situação das drogas é um problema social. Uma das maneiras de se tentar combater é através da informação, da comunicação, de campanhas publicitárias. Muito já foi dito e apesar de existirem belas ideias publicitárias sobre o tema,  a eficácia destas campanhas é bastante questionada.

A complicação é como atrair a atenção dos jovens para um assunto sério justamente em momentos em que estão buscando diversão, distração, descanso.  Na verdade, hoje em dia atenção uma coisa cada vez mais difícil de se conseguir. Somos bombardeados de mensagens por todos os lados e é um desafio escolher para qual delas iremos dedicar parte dos nossos preciosos segundos.

A pergunta a ser feita é: como fazer isso? Como trazer o tema complexo das drogas para uma conversa entre jovens? Pode ser através da música? Do futebol? Será que a gastronomia que está tão na moda pode ser interessante? Se a gente usar pessoas famosas? Será que algum desses recursos será suficiente? Será que se criarmos uma mensagem de forte impacto, criando um suspense aumenta nossas chances?

A resposta foi usar tudo isso ao mesmo tempo. Usamos Claudia Leite, Margarete Menezas, Leo Santana, , Jorge Portugal, Dadá, jogadores do Bahia e do Vitória. Ao lado de cada um, um carimbo carregado de preconceito: viciado, dependente, usuário. Isso foi veiculado em outdoors na cidade de Salvador e, depois de mais de uma semana, colocamos os complementos: viciado em pagode, dependente de sucesso, usuária de dendê.

Junto os outdoors vieram filmes para tv e mais uma novidade desta campanha de 2011: o uso planejado da internet. Na primeira fase da campanha, eles mantiveram o mistério na web através de suas contas no twitter e depois divulgamos vídeos gravados com eles especialmente para as redes sociais. Sucesso total.

Veja um dos filmes da campanha

A campanha criada pela Engenhonovo gerou memes, dominou os posts nas redes sociais, gerou matérias em sites e blogs, artigos de jornal e muita conversa entre os jovens, que desde o começo era o objetivo de tudo. Se foi bom ter feito essa campanha? Foi viciante.

Veja mais em:
http://www.pactopelavida.ba.gov.br/viversemdrogas/
http://www.sinaprobahia.com.br/mundo-digital/pacto-pela-vida-depoimentos-de-personalidades-baianas-ja-estao-na-internet/

Artigo foi escrito como parte do Programa Nanodegree de Marketing Digital da Udacity.

TAGS: